Russell diz que o Grande Prêmio da França foi 'a melhor corrida que já fiz com a Williams'

Russell diz que o Grande Prêmio da França foi 'a melhor corrida que já fiz com a Williams'

 George Russell estava nas nuvens com seu desempenho no Grande Prêmio da França e, embora tenha perdido o primeiro ponto no Campeonato Mundial com a Williams, ele marcou a montanha-russa de Paul Ricard como sua melhor corrida para a equipe até agora.

O britânico superou o companheiro de equipe Nicholas Latifi por 0,002s no sábado para P14 no grid e caiu para 17 quando as luzes se apagaram, mas se recuperou após seu pit stop da volta 17 (de onde saiu em 19) e lutou com adversários como de Yuki Tsunoda e Esteban Ocon para terminar em 12º - o melhor resultado de Russell da temporada.

"Sim, foi uma tarde muito boa", começou ele após a corrida. “[Tivemos] algumas ultrapassagens, conseguimos terminar à frente de Ocon, os Alfas, Tsunoda. Conseguimos ultrapassar Tsunoda na pista - muito feliz com isso, para ser honesto.

"Estávamos lá por mérito, o carro era [rápido], essa estratégia foi muito bem administrada, então eu diria que é provavelmente a nossa melhor corrida que já fizemos junto com a Williams", explicou ele.

Russell terminou em 12º na França, então ainda está em busca de seu primeiro ponto com a Williams

O piloto de 23 anos acrescentou que também estava feliz com os esforços de gerenciamento dos pneus no domingo, já que os manteve na janela de temperatura ideal antes de lançar uma manobra no AlphaTauri de Tsunoda logo no final da corrida.

Ele continuou: "Era esse limite entre manter a temperatura [nos pneus], ​​mas não granulá-los: se você empurrasse muito, tinha a chance de granulá-los; se fosse muito lento, eles cairiam pela janela.

"Então você está equilibrando isso ao longo de toda a corrida, mas fizemos muito, muito bem e, como eu disse, felizes por termos conseguido fazer a mudança no final."

A única mancha em seu dia? Russell disse que foi sua queda de 14 para 17 no início, o que atrapalhou seus esforços para conseguir os primeiros pontos para a Williams. Apesar de terem deixado a França de mãos vazias, ele disse que serão encorajados por uma grande melhora no desempenho, com a dupla de cabeçada da Áustria em seguida.

“Foi uma pena aquelas voltas iniciais; fiz uma largada muito ruim, me esforcei muito, mas não acho que mudou muito. No final, acho que P12 foi nosso máximo absoluto. Foi uma pena nada realmente aconteceu na frente porque P12 em mérito para nós é muito forte ", concluiu.

Comentários